3 armas que precisas para atingir objetivos!

Quando?


A pergunta que coloco após ser definida uma ação...

No momento em que pergunto "Quando?" eu consigo sentir a tensão, a respiração a tornar-se mais rápida, a garganta travar e no olhar consigo ver o medo. Numa tentativa de conseguirem tempo devolvem a pergunta:

"Quando?"

Devolvo novamente: "Sim, Quando?"


Perguntam: "Mas tenho de dar uma data?"


E assim passamos do sonho para o objetivo!


"Objetivos são sonhos com prazo" autor desconhecido



Quantos de nós já afirmamos...

Quando tiver mais tempo, quando terminar este projeto stressante que me consome o dia, quando descobrir a minha paixão, quando as coisas ficarem mais calmas...


E quantos de nós já prometemos...

"Assim que tiver mais tempo irei alimentar-me de forma mais saudável"

"Assim que as coisas acalmarem irei iniciar a prática de exercício regular"

"Assim que me sentir preparado avanço com esta ideia"


Fazemos estas promessas, mas dentro de nós sabemos a verdade...

Que não existe melhor momento que AGORA!

Se não for agora será quando?


Esta frase do Robin Sharma relembra-me o quanto a nossa existência é breve: "os dias transformam-se em semanas, as semanas em meses e os meses anos."


O mais curioso, ou não tão curioso assim, é que é exatamente no final do ano que relembramos o que prometemos no final do ano anterior. Sinto muito vezes a dor de quem chega até mim para um processo e relembra o que deixou para depois... para quando houvesse tempo ou para quando as coisas acalmassem.


Chegar à conclusão que a vida não vai dar mais tempo que as coisas não vão acalmar se não fizermos nada para que isso aconteça, pode ser um momento de autoconsciência um tanto ou quanto doloroso para alguns de nós. Mas a partir desse momento é dada a possibilidade de assumir a responsabilidade para tomar ações diferentes.


"Ações diferentes, resultados diferentes" Tony Robbins


No seu livro Desperte o Gigante que Há em Si, o autor Tony Robbins partilha "ouço as pessoas dizerem com frequência: "Tony, onde vai buscar a sua energia? Com toda essa intensidade, não é de admirar que seja bem-sucedido. Não tenho o seu ímpeto; acho que não me sinto motivado, sou um pouco preguiçoso." A minha resposta é sempre a mesma: "Você não é preguiçoso! Simplesmente tem objetivos impotentes!""


Por objetivos impotentes o autor refere: "os objetivos da maioria das pessoas são: "pagar a porcaria das contas", equilibrar o orçamento, sobreviver, chegar ao final do dia - resumindo, estão presas na armadilha de ganhar a vida, em vez de projetarem uma vida."

Eu diria que a maioria de nós está preso nesta armadilha, mesmo sabendo que pode construir uma vida diferente. Existe algo que nos mantém na ilusão de "um dia quando tiver tempo" ou "quando as coisas acalmarem...".

E esse algo é: O Medo.


O maldito medo de falhar, de desiludir, de ser rejeitado, de não ser bom/boa o suficiente!


De forma quase que inconsciente a maior parte de nós nega os medos. Ao negar o medo evito ter de lidar com ele. Estruturo toda uma vida para que não tenha de enfrentar o medo!

Se ao menos soubéssemos que quando enfrentamos o medo crescemos.


Eu percebo o que sentes! Talvez no passado tenhas estabelecido objetivos que não conseguiste atingir e não queres criar expectativas para que não tenhas de passar pelo mesmo.

Mas deixa-me partilhar isto contigo: criar objetivos irá ajudar-te na tua clareza. Será como te permitires deixar guiar por uma bússola, em que à medida que caminhas em direcção ao teu objetivo irás descobrir mais sobre o objetivo em si e sobre o mundo que te rodeia.

Sim! É possível neste processo teres de ajustar a trajetória.

Sim! É possível que descubras outras possibilidades e poderás querer mudar numa direcção diferente.


Mas cuidado para não caíres na ilusão de sacrificares a tua felicidade para alcançar o teu objetivo. Daí a importância de avaliar os objetivos e celebrar o quanto já avançaste.


A transformação não está no alcance do objetivo, mas no processo.


É no processo que ocorre a transformação.


No final de 2017 decidi que aquele seria o ano que iria elevar o meus níveis de energia e iria tornar aquele o ano mais saudável de sempre.

Nesse ano tinha descurado os meus níveis de energia, praticava pouco exercício e passava parte dos meus dias sentada a dar sessões de coaching e a gerir o negócio.

Não faço parte do grupo que come em stress, mas faço parte do grupo que se esquece de comer em stress (nenhum deles considero saudável!). Lembro-me de muitas vezes olhar para o relógio e às 16h00 ainda não tinha almoçado.

Este não era o tipo de pessoa que queria Ser, não era o exemplo que queria dar e não era a vida que queria construir. Decidi que iria transformar por completo este meu estilo de vida.

Como coach estava ciente de que não bastava querer era preciso decidir e comprometer!


- Não é sobre o objetivo é sobre quem queres SER!

Primeiro ponto a estabelecer os objetivos não está na meta, mas na pessoas que precisas de ser para alcançar esse objetivo.


Quando no final 2017 decidi que aquele seria o ano mais saudável de sempre, não foquei no objetivo foquei em que queria Ser.


Por isso antes de definir o que quer que seja é importante responder a esta questão: "Quem desejas Ser?"


- Pequenos Passos, Grandes Mudanças

Comecei a estabelecer o objetivo com base neste princípio: pequenos passos, grandes mudanças.

Fiz uma revisão de tudo o que fazia para cuidar de mim, e questionei-me: "para ser esta pessoa o que preciso fazer diferente?"

Cheguei à conclusão que precisava de criar o hábito de exercício físico regular. Mas em vez de ir a correr inscrever-me num ginásio, ir a uma loja de desporto e comprar os equipamentos de treino mais recentes e correr o risco de parar poucas semanas depois. Decidi que iria comprometer-me com 7 minutos de exercício diário logo pela manhã.


Agora é a tua vez, qual o pequeno passo para cimentar o hábito e manter o teu foco de Ser a pessoa que desejas Ser?


- Rodeia-te de um Grupo Potenciador

Durante esse ano cumpri religiosamente este hábito de 7 minutos de exercício. Uns meses depois decidi que a par disso iria começar a correr! Juntei-me a um grupo de amigos que já corria e pelo menos duas vezes por semana juntava-me a eles para correr. Ao fim de algumas semanas correr 10 km duas vezes por semana (às vezes mais) tornou-se normal para mim. (Para quem corria 100 metros e sentia o coração a sair pela boca esta foi uma enorme conquista na minha vida).

Podes estar neste momento a questionar porquê é que este é um grupo potenciador.

Porque ajudava-me a expandir a minha mente e mostrava-me que eu conseguia muito mais do que aquilo que imaginava. Muitas vezes quando começava a correr achava que não ia conseguir chegar ao fim. Isso nunca aconteceu e foram muitas as vezes que corríamos mais do que aquilo que tínhamos definido para aquele dia.


Seja qual for a mudança que desejas, junta-te a pessoas que te potenciam, que expandam a tua mente ao ponto de teres de te abrir a novas possibilidades.



181 views0 comments

Recent Posts

See All

Subscreve a minha newsletter

Coaching

Vídeos

Política de Privacidade

Contactos

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube