COMO COMEÇAR A MEDITAR


Hoje meditar faz parte da minha rotina diária, pois trouxe-me muitos benefícios. Durante muitos anos vivi em piloto-automático, deixava que a minha vida fosse comandada pela “conversa” que existia na minha mente. Pensava no passado e sentia ressentimento, raiva e até culpa, pensava no futuro e sentia ansiedade, medo e preocupação. Toda esta “conversa” interna limitava a minha confiança, auto estima e segurança em mim mesma. Ainda que a nível exterior tudo parecesse bem, eu estava desgastada por dentro. E é aqui que entra a meditação.

Hoje não daria tanto valor à meditação,  se não tivesse passado pelo processo de me sentir desgastada (por isso afirmo que todas as experiências são importantes). Hoje sinto-me uma pessoa feliz, realizada e que deseja continuar a evoluir. Sem dúvida que a meditação me ajuda imenso. Permite-me estar focada, atenta a mim e às minhas necessidades. Hoje em vez de ignorar o que sinto, e ficar na queixa a aprofundar o sofrimento, foco-me em procurar soluções.

Estou a contar-te tudo isto porque quero desmistificar a ideia de que meditar é só para gurus de meditação.

Acompanho muitas pessoas na sua transformação e sei o quanto somos diferentes. Para uns é muito fácil começar a meditar, para outros só a ideia de ficar parado por um período de tempo, parece uma tortura!

Então, se fazes parte do grupo em que meditar parece uma tortura, vamos começar por simplificar e compreender o que verdadeiramente significa: “Apenas sente as tuas emoções”, “Apenas precisas de deixar ir” ou “Não te apegues aos teus pensamentos”

1- Pontos a ter em consideração ao iniciar a prática de meditação

  1. A mente pode acelerar enquanto estás a meditar, –  é super normal que aconteça numa fase inicial.

  2. O objectivo de meditar não é parar a mente, mas sim perceber que a mente começou a divagar e voltar a atenção para algo, por exemplo para a respiração.

  3. No início da prática de meditação é normal sentir várias emoções. Podes tomar consciência de emoções como tristeza ou raiva, – e é normal. Quer dizer que estás atenta a ti.

2- Fica presente no momento É usual ouvir “Eu não tenho tempo para meditar!”

Esta é uma justificação normal, sobretudo para pessoas que têm a mente sobrecarregada com milhões de coisas em que pensar a toda hora. Ficar sentado em meditação, pode mesmo ser um grande passo.

Se fazes parte deste grupo, vamos simplificar! – Começa por ficar atenta às pequenas coisas, e faz uso dos teus 5 sentidos: – O que vês, cheiras, ouves, sentes, ou saboreias?

Alguns exemplos:

  1. Sente a água nas tuas mãos enquanto as lavas

  2. Sente o cheiro no teu corpo quando colocas perfume

  3. Sente as roupas no teu corpo, o sol na tua face, ou a chuva nas tua mãos

  4. Fica atenta e procura ver coisas que ainda não tinhas notado, por exemplo, quando fazes a tua viagem para o trabalho.

Ficar atenta aos pequenos momentos do dia-a-dia, permite desenvolver a presença. Quando mais praticas estar focada no momento presente, mais fácil este exercício se tornará, e maior é a probabilidade de quereres saber mais sobre meditação 😉

3. Dá pequenos passos

Para algumas pessoas só o simples facto de pensar em estar em silêncio, parada por um período de tempo, pode causar bastante ansiedade. Por isso o ideal é começar de forma simples.

10 minutos para alguns pode ser pouco, para quem está a iniciar pode ser uma eternidade – parece que o tempo não passa.

Se vais iniciar esta prática, aqui fica uma dica: Começa com 30 segundo e fica atenta ao que surgir nesse tempo. Quando sentires que 30 segundos é confortável, aumenta para 45 segundos, depois 1 minutos, um minuto e 30 segundos… Pequenos Passos!

Com a prática regular irás reconhecer que a mente esta mais calma e que meditar se tornou mais simples.

E não precisas sentar-te no chão com as pernas cruzadas. Podes sentar-te numa cadeira ou com as pernas esticadas. Coloca-te numa postura confortável e em que estejas alerta. Além disso podes praticar estar presente em qualquer altura do dia – enquanto caminhas, na fila do supermercado, no trânsito, …

4. Celebra os pequenos passos

Lembra-te de celebrar. Sejam 30 segundos ou 30 minutos, cada momento investido em estar presente e/ou meditar é um passo mais perto para acalmar a mente, – e isso merece ser celebrado.

Por vezes, queremos iniciar tanto esta prática que afirmamos que vamos fazer todos os dias. O que acontece na maioria das vezes é que ao fim de uns dias a resistência começa a aparecer e a probabilidade de desistir é maior.

Este pode tornar-se num dos teus hábitos, mas lembra-te de ser flexível. Meditar também significa estar presente, – sentir a água a percorrer a garganta enquanto a bebes, sentir o cheiro do café, ouvir uma meditação guiada, ouvir uma música relaxante, ou apenas fechar os olhos e ficar em silêncio!

Se vais iniciar a tua prática de meditação e/ou estar presente, lembra-te:

  1. Começa por usar os teus 5 sentidos

  2. Dá pequenos passos

  3. Celebra os pequenos passos

Meditação não é apenas para as pessoas super espirituais. Hoje existem muitas meditações guiadas, livros, artigos, apps e áudios que ajudam a estar presente. O mais importante a reter é que compreendas que meditar é como qualquer outra competência, que necessita de prática.

Com o tempo, começarás a sentir que a prática se torna mais fácil. Não fiques desapontada se não sentires os efeitos nas primeiras vezes, é normal pois requer prática. Com o avançar da prática sentirás o seus efeitos e começarás a notar que estar presente no momento torna-se cada vez mais simples.

Até Breve! Ana Rita

Coach especialista em Equilíbrio e Transformação ajuda mulheres a saírem da crise pessoal levando-as a encontrar aquele “algo” que necessitam desenvolver para se sentirem novamente completas, felizes e confiantes.  Descarrega gratuitamente uma cópia do seu ebook “5 passos para superar o vazio interior”  e dá o primeiro passo para viver com confiança, felicidade e equilíbrio.

Subscreve a minha newsletter

Coaching

Vídeos

Política de Privacidade

Contactos

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube