COMO PODES MELHORAR A RELAÇÃO QUE TENS CONTIGO


Imagina este cenário! Tinhas uma tarefa onde deste o melhor de ti. No entanto, após rever a tarefa, encontraste uma falha na execução da mesma. No momento, em que notas essa falha, a tua voz interior começa a dar sinais da sua presença. “Não acredito que fiz isto.” “Como sou desajeitada” “Como pude cometer este erro. Que idiota que sou!”

Há medida que pensas na tarefa a ansiedade aumenta. Os minutos passam e o discurso interno torna-se cada vez mais exigente e rígido. O corpo começa a dar sinais de tensão, os músculos ficam tensos, a garganta apertada, o estômago fica contraído e o coração acelera.

Identificaste com este cenário? Se sim, é provável que sofras de falta de compaixão por ti mesma! A falta de compaixão provoca um vazio entre quem somos e aquilo que realizamos. Este vazio provoca um discurso interno muito rígido levando ao aumento de ansiedade, stress e em última análise à falta de confiança e felicidade.

Todos nós temos um discurso interno. Este discurso é caracterizado por uma voz que “fala” connosco. Como se fosse um “Eu” que está dentro da nossa mente e nos dá indicações. Esta voz recria a forma como nos tratamos a nós mesmos!

Se um amigo teu tivesse cometido uma falha como o tratarias? Irias tratá-lo de forma tão dura e rígida como fazes contigo mesma? Acredito que respondeste Não a esta questão. Então porque és tão cruel contigo?

Começa a prestar atenção à forma como falas contigo mesma!

Como é a tua voz interior? Cruel? Rígida? Crítica? Difícil de agradar? Que nomes chamas a ti mesma? Permites que essa voz te deixe angustiada, sobrecarregada, diminuída? Muitos de nós têm vozes internas muito críticas. Criam angústias, através da comunicação que têm consigo. Tomam a voz crítica muito a sério. Aumentando, assim, estados de ansiedade, preocupação e stress. Alguns têm a falsa ideia de que ao concordar com a voz crítica estão a motivar-se  para a mudança. Mas este pensamento não podia estar mais longe da verdade!

Se o discurso para contigo mesma é crítico e duro, reflecte sobre as seguintes questões. Usas esta mesma técnica com uma criança? Quando uma criança comete uma falha chamas-lhe nomes e dizes o quanto ela é desajeitada? Será que ao fazeres isso, estarás a ajudar a criança a não cometer a mesma falha?

Uma coisa é provável que aconteça, ao falares de forma dura e crítica com a criança, estarás a ferir a sua confiança, auto estima e a criar um distanciamento na forma como te relacionas ela! O mesmo se aplica a ti! Quando concordas com a voz crítica estás a ferir a tua confiança, auto estima e a criar um distanciamento na forma como te relacionas contigo!

Estudos mostram que a auto compaixão aumenta a motivação, muito mais do que a voz dura e auto crítica!

A crítica interna aumenta o stress e ansiedade e não garante que no futuro as mesmas falhas não sejam cometidas. Na verdade o stress causado pela voz crítica, faz baixar o sentimento de merecimento e reconhecimento, ficando mais susceptível a repetir a mesma falha mais tarde. Isto porque, em vez de criares em ti um sentimento de que é possível superar o desafio, crias em ti um sentimento de que não vale a pena o esforço.

Acredita eu já vi isto a acontecer na minha vida várias vezes!

Quando dou por mim a procrastinar, saltando tarefas importantes, crio em mim um sentimento diminuído, de pouca valorização e dou por mim a concordar com a voz crítica que diz que sou preguiçosa. Se leste o meu artigo sobre as duas palavras que têm o poder de mudar a forma como vivemos, percebes que ao identificarmo-nos com características que não desejamos não ajudará em nada a mudança! A verdade é que comecei a tomar consciência de que quanto mais me auto criticava, mais procrastinava!

Já deste conta deste padrão na tua vida?

O que podes fazer quando notas que estás a ser crítica, e até cruel, contigo!

#3 passos que podes colocar em prática para diminuir a influência da tua voz crítica, e ao mesmo tempo motivares-te sendo compreensiva contigo mesma:

Quando o crítico aparece a coisa mais importante a fazer é: Não Fazer Nada! Por outras palavras significa PARAR com toda e qualquer tarefa, e sair do espaço onde te encontras, se possível.

A segunda coisa a fazer é: RESPIRAR FUNDO. Quando estamos a dar ouvidos ao crítico estamos completamente alheados do momento presente. Por isso a primeira coisa a fazer é recuperar o momento e PARAR! E a segunda ação é RESPIRAR FUNDO. Respirar fundo ajuda a centrar no momento presente e a voltar a atenção para o nosso corpo.

De seguida fala contigo como se falasses com a tua melhor amiga, de forma compassiva e bondosa! A voz crítica está a procurar ajudar-te (ainda que não utilize a melhor estratégia para o fazer); por isso, agradece a ajuda e afirma que és capaz. Esta é uma excelente forma de desencorajar a voz crítica. Diz a ti mesma algo encorajador como por exemplo: “Esta tarefa é desafiante, mas eu consigo superá-la!” ou “Falhas acontecem. Esta é a minha oportunidade de ser ainda melhor.”

Ser amorosa contigo é extremamente importante. Ao te tornares na tua melhor amiga estarás a recuperar a tua auto estima, construindo uma vida mais completa, pacífica e feliz. Da próxima vez que a tua voz crítica e cruel aparecer, PÁRA, RESPIRA FUNDO algumas vezes, e lembra-te que a COMPAIXÃO e BONDADE para contigo mesma é a melhor estratégia para seres mais feliz.

Até Breve! Ana Rita Costa Coach especialista em Equilíbrio e Transformação ajuda mulheres a saírem da crise pessoal levando-as a encontrar aquele “algo” que necessitam desenvolver para se sentirem novamente completas, felizes e confiantes.  Descarrega gratuitamente uma cópia do seu ebook “5 passos para superar o vazio interior”  e dá o primeiro passo para viver com confiança, felicidade e equilíbrio.

0 views

Subscreve a minha newsletter

Coaching

Vídeos

Política de Privacidade

Contactos

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube